Foi essa fanfarronice que me ocorreu quando vi o questionário abaixo, de um badalado restaurante situado no Centro do Rio de Janeiro.

clip_image002

 

Qual é o problema?

Meu comentário:

Podemos criticar a reunião, em um só item, de dois atributos diferentes (“agilidade” e “apresentação dos funcionários”)? Sim, podemos, conforme discutido na Dica nº 5. Mas isso não é o mais surpreendente. Podemos criticar a falta de espaço para resposta ao pedido “Outras sugestões”? Sim, podemos, conforme discutido na Dica nº 45. Mas isso tampouco é o mais surpreendente. Podemos criticar o emprego dos vagos termos “frequenta” e “eventos”, sem a devida definição do que o restaurante entende por eles (uma vez por semana? Uma vez por mês? Uma por ano? Exposições? Cinemas? Passeatas de protesto contra a política socioeconômica do governo?)? Sim, podemos, conforme discutido na Dica nº 24. Mas nem mesmo isso é o mais surpreendente. Por fim, podemos criticar a pergunta final, argumentando que a construção “seriam mais frequentados” poderia ser entendida tanto quanto “você já frequenta hoje” quanto “você frequentaria se elas fossem oferecidas”? Sim, podemos também – e de novo com base no que nos ensina a Dica nº 24. E nem mesmo essa ambiguidade seria o mais surpreendente no questionário analisado.

Então desembucha de uma vez, caramba! O que é que mais surpreende no questionário?

É simplesmente o fato, exaltado leitor, de o restaurante não ter cogitado (ou admitido) que algum cliente pudesse não gostar das saladas. Ou dos pratos quentes. Ou das quiches, sopas e sobremesas. Ou de qualquer coisa oferecida no restaurante! Sim, porque eles só dão aos respondentes as opções de resposta “Excelente”, “Bom” e – num arroubo de consideração – um “Regular”! É se garantir demais, não acha, exigente leitor?

Não há problema em se usar, para a resposta, uma escala desequilibrada, isto é, uma em que a quantidade de categorias (ou posições de resposta) do lado favorável seja diferente da quantidade de categorias do outro. O que não se pode aceitar é a inexistência de categorias (uma única que seja!) de um dos lados. Sem isso, como poderá responder quem não gostou de alguma coisa? Classificando-a como regular! Apresentar opções de resposta que não cobrem o universo possível é assunto tratado na Dica nº 20.

Teste Teste Teste